Cavalos: raça, pelagem, Cultura Gaúcha

Diante das principais características enumeradas acima você naturalmente já deduziu a raça que mais lhe convém. Ao iniciar sua nova atividade você, deveria adquirir algumas éguas, que, além de servirem para o trabalho também servirão para dar-lhe novos cavalos, assim sua estância faria naturalmente a renovação da cavalhada. No entanto não exagere na quantidade, porque um eqüino come por 2 ou 3 vacas, além de pastar noite e dia, ainda arranca algum pasto com a raiz. O conceito generalizado entre os estancieiros antigos era de possuírem centenas e até milhares de eqüinos. Conheci uma proprietária, em Mostardas, Maria Joaquina Osório Velho, que chegou a possuir 2.000 animais cavalares. Meu pai, enquanto criador de certa escala, nunca teve menos de 200 eqüinos, apenas por puro prazer e um certo orgulho. Hoje, salvo em Cabanhas especializadas em criação de cavalos, isto é absolutamente antieconômico. Já que dedicamos um capítulo aos Cavalos, seria imperdoável não falarmos sobre os seus variadissimos pêlos. Dado a sua grande importância, dedico-lhe em capítulo especial.

O assunto é polêmico porque encerra muitas diferenças entre as várias regiões do Rio grande. Além disso, existe ainda, enorme discrepância entre as linguagens militar ou turfistas e a da gauchada campeira, que jamais chamou o cabalo zaino de castanho...








Mais de uma Pelagem:
Por outro lado alguns animais possuem em seu corpo mais de uma pelagem, o que dificulta a identificação. É oportuno lembrarmos, também, que até um ano e meio a dois anos de idade alguns eqüinos mudam a pelagem, só atingindo a definitiva a partir daí. Como me propus, neste modesto trabalho, a transmitir aos leigos alguns ensinamentos, coerentemente permanecerei dentro desta linha, respeitando sempre o regionalismo crioulo. São, pois, os seguintes pêlos que conheço: AZULEGO: azulado, com uma ou outra mancha branca.
BAIO: cor de café com leite fraco.
BAIO CABOS – NEGROS: com pernas, crina e cola pretas.
BAIO ENCERADO: café com leite forte e manchas arredondadas e levemente mais escuras.
BAIO CEBRUNO: café com leite forte e argolas pretas nas quatro patas.
BAIO RUANO: café com leite bem desmaiado e crina e cola brancas.
BRANCO: totalmente branco
BRAGADO: totalmente coberto de manchas brancas, vermelhas ou pretas embaralhas e indefinidas, dando a aparência de um buquê de flores.
COLORADO: vermelho.
COLORADO PINHÃO: vermelho carregado, quase encarnado.
DOURADILHO: vermelho bem claro, que brilha quando exposto ao sol







GATEADO: café com leite forte ou marrom fraco.
GATEADO ROSILHO: com pintinhas brancas.
LUBUNO: cinza
MALACARA: geralmente cavalos vermelhos que tiverem, à frente da cabeça, uma mancha vertical, dos olhos até o focinho (outros pêlos que tiverem a mesma macha normalmente não são tratados como Malacara).
MOURO: pequenas pintas brancas sobre o fundo preto.
OVEIRO: manchas grandes, brancas, vermelhas ou pretas, arredondadas.
PAMPA: o cavalo que tiver toda a cabeça branca.
PANGARÉ: café com leite, com barriga e focinho brancos.
PICAÇO: todo preto com qualquer mancha branca e em qualquer lugar.
PRETO: totalmente preto.


ROSILHO: pintas brancas sobre o fundo vermelho.
ROSILHO PRATEADO: rozilho, com a anca quase branca.
ROSADO: é como na Serra denominam o Bragado.
RUANO: vermelho claro e crinas e cola brancas.
TOBIANO: faixas largas e bem definidas, brancas e vermelhas ou brancas e pretas, em geral dispostas verticalmente.
TOBIANO ROZILHO: quando as faixas forem rozilhas.
TOBIANO MOURO: quando as faixas forem do pêlo mouro.
TORDILHO: fundo branco com pintas levemente mais escuras de um branco sujo.
TORDILHO NEGRO: fundo branco com pintas de um preto desmaiado.
TORDILHO VINAGRE: fundo branco sob pintas marrons.
TOSTADO: cor de castanha madura.
TOSTADO RUANO: A cor de castanha madura e crinas e cola brancas.
ZAINO: marrom escuro
ZAINO CRUZADO: marrom escuro e duas patas brancas desencontradas.
ZAINO NEGRO: quase preto.
ZAINO PINHÃO: puxado à cor de pinhão maduro.
ZAINO TAPADO: o que não tem qualquer pinta branca.

Alguns animais possuem de 1 a 4 canelas brancas, independente da sua pelagem geral, estes são chamados de "calçados" (gateado calçado da 4 patas, etc.). Fonte: Cyro Dutra Ferreira
Campeirismo Gaúcho – Orientações Práticas.

Fonte: Camperismo Gaúcho - Orientações práticas. Autor.: Cyro Dutra Ferreira



   

 
Site melhor visualizado em resolução 800x600 com Internet Explorer 4.0 ou superior
Copyright © 2004 Portal Santa Maria - Todos os direitos reservados
Cultura Gaúcha http://www.culturagaucha.com.br
Política de privacidade